h1

Como você vai lidar com a sua compulsão?

Julho 9, 2011

Desta vez tomo a liberdade de reproduzir o excelente artigo do Gilberto Dimenstein, publicado Domingo passado na Folha de São Paulo, sobre a compulsão para se manter contectado. Vejam a seguir:

O GOOGLE anunciou na semana passada um projeto para enfrentar o Facebook, disposto a reinventar a mídia social. A notícia teve óbvio impacto mundial e despertou a curiosidade sobre mais uma rodada de inovações tecnológicas, capazes de nos fazer ainda mais conectados. No dia seguinte, porém, o Facebook reagiu e anunciou para esta semana uma novidade também de grande impacto, possivelmente em celulares. Para alguns psicólogos americanos, esse tipo de disputa produz um efeito colateral: um distúrbio já batizado de “cérebro de pipoca”. Esse distúrbio é provocado pelo movimento caótico e constante de informações, exigindo que se executem simultaneamente várias tarefas. Por causa de alterações químicas cerebrais, a vítima passa a ter dificuldade de se concentrar em apenas um assunto e de lidar com coisas simples do cotidiano, como ler um livro, conversar com alguém sem interrupção ou dirigir sem falar ao celular. É como se as pessoas tivessem dentro da cabeça a agitação do milho explodindo no óleo quente. A falta de foco gera entre os portadores do tal “cérebro de pipoca” um novo tipo de analfabetismo: o analfabetismo emocional, ou seja, a dificuldade de ler as emoções no rosto, na postura ou na voz dos indivíduos, o que torna complicado o relacionamento interpessoal.

Sou um tanto desconfiado de notícias alarmantes provocadas pelo surgimento de novas tecnologias. Toda ruptura desencadeia uma onda de nostalgia e de temores em relação ao futuro.
Mas algumas pesquisas em torno do “cérebro de pipoca” merecem atenção por afetar o processo de aprendizagem. Uma delas foi realizada em Stanford, a universidade que, por ajudar a criar o Vale do Silício, na Califórnia, impulsionou a tecnologia da informação. Neste ano, Clifford Nass, professor de psicologia social na Universidade Stanford, revelou num seminário sobre tecnologia da informação a pesquisa que fez com jovens que passam muitas horas por dia na internet, acostumados a tocar muitas tarefas ao mesmo tempo. Ele mostrou fotos com diversas expressões e pediu que os jovens identificassem as emoções. Constatou a dificuldade dos entrevistados. “Relacionamento é algo que se aprende lendo as emoções dos outros”, afirma Nass. O problema, segundo ele, está tanto na falta de contato cara a cara com as pessoas como na dificuldade de manter o foco e verificar o que é relevante, percebendo sutilezas, o que exige atenção.

Os pesquisadores estão detectando há tempos uma série de distorções, como a compulsão para se manter conectado, semelhante a um vício. Trata-se de uma inquietude permanente, provocada pela sensação de que o outro, naquele momento, está fazendo algo mais interessante do que aquilo que se está fazendo. Tome o Facebook ou qualquer outra rede social. Chegaram a desenvolver um programa que envia para o celular da pessoa um aviso sempre que um amigo dela está se aproximando de onde ela está.

O estímulo, porém, começa no mercado de trabalho. Vemos nos anúncios de emprego uma demanda por pessoas que façam muitas coisas ao mesmo tempo. Mas o que Nass, o professor de Stanford, entre outros pesquisadores, defende é o contrário. Quem faz muitas tarefas ao mesmo tempo, condicionando seu cérebro, fica menos funcional. Não sabe perceber as emoções e trabalhar em equipe, não sabe focar o que é relevante e tem dificuldade de estabelecer um projeto que exige um mínimo de linearidade. Não sabe, em suma, diferenciar o valor das informações.

Não deixa de ser um pouco absurdo valorizar tanto os recursos tecnológicos que aproximam as pessoas virtualmente, mas que as afastam na vida real. Daí se entende, em parte, segundo os pesquisadores, por que, em todo o mundo, está explodindo o consumo de remédios de tarja preta para tratar males como a ansiedade e a hiperatividade.

PS- Perto da minha casa, aqui em Cambridge, há uma padaria artesanal, com mesas comunitárias, que decidiu ir contra a corrente. Seus proprietários simplesmente proibiram que se usasse celular lá dentro para diminuir a poluição sonora e a agitação. Sucesso total. O efeito colateral: ficou difícil conseguir lugar.”

Isso me fez refletir: estará a geração Z sendo formada sem a habilidade de pensar com clareza? Será qua a distração criada pela tecnologia é a culpada desta possibilidade? Qual é o seu ponto de vista?

Para lidar com esta e outras questões comportamentais, conte comigo.

Pablo

P.S. – Amanhã, as 19h no GNT, estréia o documentário “Nação Digital” que investiga mudanças sociais ocorridas a partir da internet. Aparentemente o dilema dos professores agora é desconectar alunos das redes sociais para conectá-los às aulas. É mole?!

Anúncios

35 comentários

  1. Adorei o texto, Pablo.
    Sempre reflito sobre o assunto e, inclusive, já fiz uma redação à respeito. Caso tenha interesse em ler, está no meu blog: http://espaconotempo.blogspot.com/
    Vou compartilhar o seu texto e sair deste computador. Afinal, hoje é sábado e está fazendo um dia lindo lá fora! Interagir sempre!
    Bárbara Cheffer

    Gostar


  2. LinkedIn Groups
    Group: Comunique-se
    Discussion: Como você vai lidar com a sua compulsão?
    …quase tudo um pouco, é de qus tudo nada! É preciso ter foco para ser eficiente, mesmo que façamos várias coisas têm que ser uma por vez.

    Posted by Nathachi J.S

    Gostar


  3. LinkedIn Groups
    Group: Networking Rio de Janeiro
    Discussion: Como você vai lidar com a sua compulsão?
    Bom dia.

    Excelente texto, parabéns.

    Posted by Claudio Souza

    Gostar


  4. LinkedIn Groups
    Group: Comunique-se
    Discussion: Como você vai lidar com a sua compulsão?
    SOU FALANTE FALO A TODA HORA PARA O MUNDO OUVIR COLOCO MEUS PROBLEMAS NO COLO DOS OUTROS E A NOITE ELES FORAM EMBORA

    Posted by Sergio Peixoto

    Gostar


  5. LinkedIn Groups
    Group: Informação Empresarial
    Discussion: Como você vai lidar com a sua compulsão?
    Muito bom Pablo. Obrigada.

    Posted by Juliana Furlan

    Gostar


  6. LinkedIn Grupos
    Grupo: Tecnologia da Informação
    Discussão: Como você vai lidar com a sua compulsão?
    Ótimo artigo Pablo! Conheço muitas pessoas que estão tendo esta tendência…

    Publicado por Evandro Nascimento

    Gostar


  7. LinkedIn Grupos
    Grupo: Falando de Varejo
    Discussão: Como você vai lidar com a sua compulsão?
    No mínimo é uma reflexão bem interessante!

    Publicado por Fernanda Tonsig

    Gostar


  8. Interessante matéria… Parabéns!!!!

    Gostar


  9. Pensando um pouco…percebo isso em minha rotina de trabalho, embora eu amo o que eu faço, às vezes a impressão que tenho, é que eu faria “muito mais”, ou que eu seria muito melhor, com uma frente menor de atividades.

    No RH, o diferencial é ser humanizado, e por vezes a correria, as datas e os resultados, acabam negligenciando nossas práticas. Parece que é muito mais importante cumprir um resultado, do que a maneira como se chega a ele. Parece que é menos importante, perguntar como as pessoas se sentem diante dele.

    Abraços
    Lilian.

    Gostar


  10. Matéria muito interessante, porém as empresas atualmente com a disputa acirrada de sempre ocupar espaços de relevância no mercado acaba por exigir cada vez mais de seus funcionários buscando neles habilidades múltiplas o que acarreta em um stress generalizado que vemos nos dias de hoje.

    Gostar


  11. E’msmo para se relfetir. Consigo ver alguns desses comportamentos tomando conta do meu dia a dia e de meus amigos e colegas.

    Gostar


  12. LinkedIn Groups
    Group: Psicologia Organizacional
    Discussion: Como você vai lidar com a sua compulsão?
    Pablo
    O artigo não só é excelente como real. `Principalmente oa adolescentes vivem essa compulsão como sendo uma competência diferenciada. Tenho uma amiga,não adolescente, que é brilhante em algumas atividades, porém é péssima em relacionamentos e “parece” que nunca está sensibilizada com os acontecimentos. Sempre comento com ela,por tenho liberdade para isso, voce está aqui? está ouvindo o que eu disse? Porque está sempre em vários “planos”, como digo a ela brincando. Percebo que isso cria na pessoa a necessidade de ser melhor, sempre o que fazem é mais rápido do que os outros e sempre tem informações primeiro, mas quando precisam lidar com pessoas ou situações onde haja necessidade de sensibilidade, percepção e foco, são um desastre.

    Posted by maria alice de andrade

    Gostar


  13. LinkedIn Groups
    Group: Vagas de TI
    Discussion: Como você vai lidar com a sua compulsão?
    Primeiro não deixando a compulsão tomar conta de mim, mantendo um limite entre o uso da tecnologia e o contato tradicional entre as pessoas.

    Posted by Sônia Gonçalvês Dos Reis

    Gostar


  14. LinkedIn Groups
    Group: APG Amana-key
    Discussion: Como você vai lidar com a sua compulsão?
    Olá Pablo,
    Gostei do artigo. Penso que muitos compartilham da angústia com novas tecnologias. Entendo, porém, que a culpa não é das tecnologias em si, mas da falta de valores internos para guiar o uso que se faz das mesmas. Para favorecer o consumismo e a reproduҫão dos capital — a única que prolifera em nossos dias por meio de lucros cada vez mais inacreditáveis — eliminou-se as referências a Deus, a espírito e ao auto-conheccimento. O “conheҫa-te a ti mesmo” incentivado pelos mais renomados filósofos de várias épocas tornou-se, hoje, a “auto-ajuda”… é coisa de gente doente. Paralelamente, os valores do Império Romano ainda regem nossas vidas, milhares de anos depois. O ser humano é programado pelos progrmas televisivos para ir ao encontro de sua própria destruiҫão. Como se pode ser feliz assim?
    No meu caso, estudo uma ciência revolucionária, denominada Logosofia, cujo foco é o interno de cada um e visa que cada ser assuma o controle integral de sua vida. Isso tem me permitido desfrutar de forma diferenciada de tecnologias nnovas e antigas e de tudo o mais com que tenho contato. É uma forma significativa de viver cada segundo, com valores internos que permitem nossa integralidade, sempre. Abraҫos

    Posted by Claudia Torres Teixeira

    Gostar


  15. Muito interessante este texto. Vou mandar para a minha irmã, que vive conectada e distraída.

    Gostar


  16. Prezado Pablo,

    O artigo é interessante mas não acredito nessa alienação generalizada que ele aponta. O mesmo enfoque foi dado no surgimento dos celulares, dos games e agora a internet é a bola da vez. A grande diferença é que agora as pessoas interagem de forma não passiva com outras pessoas ao inves da passividade da TV e games. Ademais, o que é tão espetacularmente interessante numa conversa sobre futebol, novelas, a vida alheia? Simplesmente para estarmos perto do “proximo”, normalmente alienado em suas próprias problemáticas interiores? Um cientista ou um pesquisador num laboratório, padres e monges, não se encontram na mesma situação? Do meu ponto de vista, o interesse cada vez maior pela internet está “conectado” com a futilidade da vida cotidiana cada vez maior, com a exigência materialista cada vez mais e com a oportuna novidade das pessoas expressarem seus pontos de vista como nunca, para uma maior quantidade de pessoas, mesmo não conhecendo-as pessoalmente, mesmo sem contato fisico. Paradoxalmente, o que todos buscam é o encontro com outras pessoas, todos querem a atenção, a oportunidade de falarem e serem ouvidos. Esses criadores das chamadas redes sociais, não passam de oportunistas procurando se enriquecer a custa dessa necessidade intima de todos nós humanos.

    Gostar


  17. Muito interessante esta matéria.
    Como dizem, “A internet tem esse grande paradoxo: aproxima quem está longe, e afasta quem está perto.”
    Abraço a todos

    Ivan M. Tonin
    Sup. E-commerce
    http://www.bjsantos.com.br

    Gostar


  18. Pablo muito bom o artigo, concordo integralmente com o que foi exposto.

    Gostar


  19. LinkedIn Groups
    Group: DBM Brasil
    Discussion: Como você vai lidar com a sua compulsão?
    Pablo, voce sempre tem contribuições interessantes !! Obrigada

    Posted by Regina Marques

    Gostar


  20. LinkedIn Groups
    Group: Rh Automotive
    Discussion: Como você vai lidar com a sua compulsão?
    Gostei do artigo. Quando viajo costumo ficar conectado com minha família pelo Skype, mas percebo que meus filhos ficam conectados a outros sites a invés de simplesmente conversarem comigo. Aí fica uma conversa sem estabelecer um diálogo.

    Posted by Joao Baker

    Gostar


  21. LinkedIn Groups
    Group: Sustentabilidade Brasil
    Discussion: Como você vai lidar com a sua compulsão?
    Ótimo artigo.

    Posted by Sabine Lanzer

    Gostar


  22. LinkedIn Groups
    Group: LOGÍSTICA
    Discussion: 3 Maneiras de Ser Um Líder Positivo
    Parabens, pelo artigo Lider

    Posted by francisco silva

    Gostar


  23. LinkedIn Groups
    Group: LOGÍSTICA
    Discussion: 3 Maneiras de Ser Um Líder Positivo
    As considerações estão impecáveis, é exatamente assim que os líderes deveriam agir.Também passei por isso no início de minha carreira, mas tive tempo de rever conceitos e pré – conceitos que vem enraigado quando você ocupa uma posição de liderança com pouca idade, é o famoso kit-Pavão. A grande vantagem é conseguir enxergar os próprios defeitos e perceber que nas atividades em geral o maior patrimônio é realmente a humanidade com os colaboradores em geral. Parabéns!

    Posted by Marlene Primo

    Gostar


  24. LinkedIn Groups
    Group: LOGÍSTICA
    Discussion: 3 Maneiras de Ser Um Líder Positivo
    Excelente tema! Gostaria de sugerir nestes debates alguns depoimentos que envolvam funcionários.

    Posted by Marcelo Pereira Olímpio

    Gostar


  25. LinkedIn Grupos
    Grupo: e-commerce Brasil
    Discussão: Como você vai lidar com a sua compulsão?
    Muito interessante esta matéria.
    Como dizem “A internet tem este paradoxo:Aproxima quem esta longe e afasta quem está perto.
    Abraços,

    Ivan M. Tonin
    Sup. E-commerce
    http://www.bjsantos.com.br

    Publicado por Ivan Marcel Tonin

    Gostar


  26. LinkedIn Groups
    Group: Informação Empresarial
    Discussion: Como você vai lidar com a sua compulsão?
    O artigo é muito bom.

    Posted by Oscar Vendrami

    Gostar


  27. LinkedIn Groups
    Group: LOGÍSTICA
    Discussion: 3 Maneiras de Ser Um Líder Positivo
    Pablo, excelente consideração, tambem lido com pessoas diariamente e tenho minha equipe nas mãos, todos me procuram para tirar suas pequenas dúvidas e novas idéias de como melhorar nosso produto de trabalho, andamos em sinergia. Pena que alguns casos, fogem a regra, onde nós gestores da cadeia, percebemos e discutimos algo para melhorar. Abraços, Marco Mirabelli.

    Posted by Marco Antonio Mirabelli Junior

    Gostar


  28. LinkedIn Groups
    Group: Psicologia Organizacional
    Discussion: Como você vai lidar com a sua compulsão?
    Excelente!

    Posted by Tatiana Campbell

    Gostar


  29. LinkedIn Grupos
    Grupo: SAP Comunidade BRASIL
    Discussão: Como você vai lidar com a sua compulsão?
    Li um outro artigo que tratava sobre essa compulsão por redes sociais referindo-se ao conceito como FOMO (Fear of missing something out). Parabéns pelo Blog, virei seguidor!
    Abs

    Publicado por Renan Oliveira Andrade

    Gostar


  30. LinkedIn Grupos
    Grupo: Web Design Brasil
    Discussão: Como você vai lidar com a sua compulsão?
    Pablo!
    O “efeito pipoca” não atinge uma boa parte de pessoas que utilizam os sites sociais. Há uma forma equilibrada no número de pessoas que acredito não ser compulsão…
    Essa afirmação de que:
    “o analfabetismo emocional, ou seja, a dificuldade de ler as emoções no rosto, na postura ou na voz dos indivíduos, o que torna complicado o relacionamento interpessoal”, não é, na minha opinião um analfabetismo emocional.
    Não é só pela visão e audição que os relacionamentos se solidificam…Eu como Gestora de Pessoas, já confirmei por várias vezes que os relacionamentos se intensificam com os contatos feitos nesses sites…sejam profissionais, familiares, amizades, inclusive com a possibilidade de poder ser extendido nacionalmente e internacionalmente…
    Enfim, temos sensibilidade para ler emoções de várias maneiras pela imaginação, intuição e além do mais essas emoções podemos ter, ainda, pela escrita, cameras, fones, quando conectados e ainda ser incentivados a buscar os livros, estudos, informações e tudo o mais que quisermos…

    E que emoção estou tendo em poder responder vc Pablo…!

    Publicado por Suely Alves

    Gostar


  31. LinkedIn Groups
    Group: Brazilian Job-Hunters
    Discussion: Como você vai lidar com a sua compulsão?
    Interessante este artiAcredito que até um certo ponto, é interessante ter a habilidade de realizar diversar tarefas ao mesmo tempo.
    Normalmente as mulheres tem esta habilidade, é não é uma compulsão.

    Posted by Antonio Sidnei Dal Pozzo

    Gostar


  32. LinkedIn Groups
    Group: Marketing Digital Brasil
    Discussion: Como você vai lidar com a sua compulsão?
    Muito interessante o artigo da Folha.
    Acho que é uma questão bem complicada mesmo…

    Mas, em relação ao seu PS, não sei se tem muito como lutar contra as redes sociais.
    Acredito que é um caminho sem volta. Na minha opinião, a melhor maneira dos professores retomarem seus alunos é fazendo uma aula mais interativa, pra que os alunos consigam focar. Não sendo professores x redes sociais e sim professores + redes sociais! E assim como o cinema se utiliza de outras ferramentas transmídia, com personagens que vão do videogame ao filme, o professor tem também que se reinventar.

    O velho modelo mestre fala – aluno escuta, já não existe mais.

    Posted by Fernanda Martinez

    Gostar


  33. LinkedIn Grupos
    Grupo: Falando de Varejo
    Discussão: Como você vai lidar com a sua compulsão?
    É normal o Dimenstein escrever tolices. Pobre Folha de S. Paulo.

    Publicado por Renato Rodrigues Esteves

    Gostar


  34. Concordo Ivan.

    Gostar


  35. LinkedIn Groups
    Group: Unesp – Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”
    Discussion: Como você vai lidar com a sua compulsão?
    Realmente, concordo com esse artigo!
    Eu bem sei a dificuldade que é dar aulas num laboratório de informática com acesso à internet! Basta estar em frente a um computador que eles já querem estar conectados às redes sociais! Não sabem mais distinguir qual é o momento em que devem e em que não devem fazer isso! Acho que no fundo acaba virando um vício!

    Posted by Miriam Silvestre

    Gostar



Expresse sua opinião

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: