Archive for the ‘Coaching de Vida’ Category

h1

5,75 perguntas que você tem insistentemente jogado para debaixo do tapete

Janeiro 20, 2015

(Quem sabe 2015 não é o momento de enfrentá-las?)

1 – O está indo bem na sua carreira e na sua vida?

2 – O que você está tentando ignorar?

3 – O que o está entediando?

4 – Como quer ser lembrado?

5 – Quem você ama?

3/4 – E então… o que vem a seguir?

h1

Cadê o jovem que estava no espelho?

Janeiro 16, 2013

YouthOntem estive com um cliente potencial discutindo os desafios de permanecer competitivo no mercado de trabalho depois dos 45. Veja, ao longo de meus anos – como Coach Executivo – tenho visto inúmeros executivos e gerentes, outrora de sucesso, deixarem a inércia e o status quo cobrarem um ingrato pedágio sobre suas carreiras. E sempre me perguntei: o que será que acaba despindo eles de seu espírito empreendedor e faz com que fiquem tão presos à sua forma de ver o mundo, trazendo à tona o risco de seu talento perder a elasticidade, a flexibilidade e a agilidade tão necessárias para se manter na crista da onda?

De repente, à noite, tive um insight: é o inevitável pedágio que o tempo, a idade e a experiência cobram! A verdade é que estamos todos lutando contra a Natureza. Qualquer bom neurologista vai lhe dizer que, com o tempo, nosso cérebro perde sua plasticidade. As vias neurais tornam-se mais fixas. E aí fica mais difícil aprender coisas novas.

É bom ressaltar, no entanto, que isso não é completamente predeterminado. Nem um pouco. Nada o é. E dependerá de nós lutarmos para escapar desse destino. Esteja consciente do que está enfrentando e – se me permite contribuir nesta batalha – siga estas quatro dicas, simples mas efetivas, de desacelerar o envelhecimento  do cérebro, mantendo a mente jovem e competitiva:

Nunca pare de enfrentar seu medo. Todos nós alcançamos um ponto onde passamos a pensar: não deveria ter que continuar fazendo isso, continuar lutando e me desafiando o tempo todo. E é verdade, você não deveria. Mas a partir do momento que parar de se desafiar e de enfrentar seus medos, envelhecerá mais rápido. O motivo é simples: o medo faz com que pare de tentar novas coisas e novas idéias.

Olhe-se no espelho com frequência e detalhadamente. Não, não estou falando de ficar olhando as marcas esculpidas na sua face. Estou falando de enxergar as marcas esculpidas em sua mente. Se você se conhece bem, olhe para si pelo que você é e no que é que está se transformando, pois assim dificilmente vai acordar um belo dia e se dar conta que a juventude veio e se foi e você apenas viu o trem passar.

Esteja sedento, sempre. É fácil ficar satisfeito onde se encontra e no que se transformou. E isso é especialmente verdadeiro no caso das pessoas bem-sucedidas. Quando isso ocorre, você perde sua vantagem competitiva, seu motor propulsor, sua razão de ser. No fundo, é essa necessidade de provar que é capaz que, quando se é jovem, leva você adiante. É uma força motivadora extremamante poderosa.

Lute contra o status quo (especialmente o seu). O maior problema com a experiência e o sucesso é que você começa a pensar que sabe tudo, que tem todas as respostas. Bem, essa não é a lógica com que o mundo dos negócios funciona. O desempenho de ontem não é garantia dos resultados de amanhã. Só porque algo funcionou uma vez, ou mesmo duas vezes, não significa que vai funcionar novamente.

Em suma

Fotos: Marie HippenmeyerVeja, o problema com o envelhecimento é o mesmo com o mundo dos negócios. Há uma forte analogia aqui. O mundo muda. A tecnologia muda. A concorrência muda. Os mercados mudam. Os líderes mudam. E você tem que mudar também. Não se engane – quando se trata de envelhecer, da mesma forma que num negócio, a inércia é o inimigo #1. Fique esperto. Mantenha-se flexível e mutável. Isso vai mantê-lo jovem e competitivo.

Conte comigo,

Pablo

P.S. – Gostou? Para me seguir no Facebook, acesse https://www.facebook.com/coachingexecutivo

h1

Assumir o papel de pai / mãe do seu par não é legal. Simples assim.

Janeiro 6, 2013

nagging-wife-screamingNão faz diferença alguma se seu cônjuge não acorda na hora, tem um péssimo gosto para se vestir, se esquece dos compromissos, perde as chaves do carro, ou inclusive nunca recolhe nada do chão. Se você assume o papel de pai ou mãe do seu cônjuge no fundo está demonstrando uma total falta de aceitação e de respeito em relação a quem seu cônjuge é:

  • Se você tem um marido irresponsável ou imaturo, pode ser que seja necessário dizer frequentemente para si mesma: eu sou a esposa dele, não a mãe dele.
  • Se você tem uma esposa imatura ou irresponsável, pode ser que seja necessário dizer frequentemente para si mesmo: eu sou o marido dela, não o pai dela.

Colocando-se no papel de pai ou de mãe e o seu cônjuge, no de uma criança, é humilhante para seu par e – cá entre nós – contraproducente. Seu cônjuge acabará se ressentindo por você assumir esse papel controlador e isso vai danificar consideravelmente sua relação matrimonial. Portanto, fique atento com as iniciativas descritas a seguir.

Comportamentos de quem quer bancar o pai ou mãe do seu par

  • Escolhe que roupas acha que seu cônjuge deve vestir.
  • Sua forma de conversar com seu par é do mesmo tipo que se usa com bebês ou ainda abusa de um tom de voz maternal/paternal.
  • Não acha nada demais servir comida no prato de seu cônjuge, cortar a carne para ele(a), ou ainda amolá-lo(a) para que coma todos os vegetais do prato.
  • Acorda seu cônjuge de manhã.
  • Quando viajam, arruma a mala do seu cônjuge.
  • Define o penteado do seu par.
  • É o “lembrador oficial” do casal – seja para tomar os medicamentos, terminar uma tarefa ou estar na hora combinada onde quer que seja.
  • Acredita que uma de suas funções é corrigir o comportamento de seu cônjuge.
  • Frequentemente atende toda e qualquer necessidade dele(a).
  • É superprotetor(a).
  • Marca os médicos para seu par.
  • Compra as roupas para seu cônjuge.
  • Preenche os formulários médicos ou legais para seu par.
  • Recolhe pela casa as coisas do seu cônjuge.
  • Monitora as coisas do seu cônjuge tais como óculos de sol, chaves do carro, carteira, etc.

Como parar de bancar o pai/a mãe do seu cônjuge

A primeira coisa que precisa fazer é se dar conta que demonstrar preocupação e carinho pelo seu cônjuge é normal (e inclusive esperado). O problema surge quando você cruza a fronteira em direção ao papel de pai/mãe pois aí o afeto normal pára e a relação envereda por um caminho duvidoso. Seguem algumas dicas:

  • Tenha uma conversa franca com seu cônjuge.
  • Pare de tratar seu par como uma criança.
  • Não corrija ou critique como seu cônjuge organiza o guarda roupa ou conclui outras tarefas domésticas.
  • Permita que seu cônjuge cometa erros e lide com as consequências de se esquecer ou tomar uma decisão errada.
  • Crie um calendário familiar que inclua tarefas a serem cumpridas, mas esclareça que mantê-lo atualizado é responsabilidade de todos.
  • Evite falar num tom paternal / maternal.
  • Aceite que seu par realmente não gosta de ser tratado como uma criança.

Conte comigo,

Pablo

h1

Para casados: Desligue o seu celular

Dezembro 15, 2012

casais-e-celularUma forma de mostrar ao seu cônjuge que você se importa é desligar o celular de vez em quando. Tome a decisão de se desconectar dos demais para abrir a possibilidade de se conectar com o seu cônjuge com mais frequência. Fazendo isso, provavelmente você vai descobrir que vai também reduzir o stress na sua vida, bem como lhe dar a oportunidade de oferecer àqueles que ama sua plena atenção.

“… minha política de ‘Domingos sem celular’ (auto-imposta): sem mensagens, sem emails , sem checar mapas. Meu celular é desligado, ou nem mesmo o carrego comigo… talvez você possa estabelecer este Natal como um feriado sem celular e dar plena atenção à pessoa que está ao seu lado na mesa, seja o seu primo caipira ou sua cunhada esnobe.” Fonte: Turning Your Phone Off as a Technological Gesture of Affection.

Outra forma de equilibrar o tempo que dedica aos demais e o tempo que dedica ao seu par é saber quando as redes sociais estão prejudicando seu casamento. Não há mal algum em “estar fora” quando isso significa “estar dentro” do seu casamento.

Conte comigo,

Pablo

h1

Para casados: Como dedicar tempo ao seu relacionamento

Dezembro 15, 2012
tempojuntosNão permitam que seus trabalhos, ou as crianças, ou a internet, ou os amigos, ou ainda os familiares (de um lado ou do outro), interfiram no seu casamento. Hoje em dia, vários casais chegam à conclusão que o fato de estarem casados não é garantia de que terão automaticamente tempo entre si. Se ambos vivem ocupados, precisam planejar como investir tempo juntos. Não há mágica, por isso compartilho algumas idéias:
  1. Agendem um fim de semana apenas para você dois. Registrem nos seus calendários, ou no outlook, ou onde for necessário, mas não alterem o evento por motivo algum. Inclusive não necessitam ir para um lugar em especial, podem ficar em casa se quiserem.
  2. Almocem juntos uma vez por semana. Se o dia estiver especialmente bonito, encontrem-se num parque.
  3. Deixem seus filhos saberem que vocês dois precisam ficar sozinhos. Digam-lhes que podem bater na porta  do quarto de vocês somente se a questão envolver sangue.
  4. Caminhem juntos pela vizinhança.
  5. Façam juntos as tarefas domésticas, tais como lavar os pratos ou ir ao açougue. Pode não parecer tempo qualitativo, mas com certeza pode se tornar.
  6. Quando no carro, executando tarefas externas, desliguem o rádio ou o cd player e conversem entre si.
  7. Tomem banho juntos.
  8. Dediquem 20 minutos ao dia  ao ato de dialogar.
  9. Se organizem para obter uma noite tranquila sozinhos ao menos uma vez ao mes.
  10. Contratem uma babá para cuidar das crianças durante um par de horas, não importa de você ficarem em casa.
  11. Negociem com outro casal para que cuidem dos seus filhos à noite de modo a que vocês possam curtir uma noite romântica sozinhos… e aí, em contrapartida, num outro dia cuidem dos deles.
  12. Marquem encontros entre vocês. Agendar uma saída juntos à noite ou à tarde duas vezes ao mes é um bom começo.
  13. Quando viajem juntos, não levem trabalho para o avião ou para o carro. Dediquem o tempo para conversarem entre si.
  14. Desliguem seus smartphones de vez em quando e se conectem entre si.
  15. Passem uma noite num motel.

Em suma:

Se não abrirem espaço nas suas respectivas agendas, não terão nunca tempo para relacionar-se.

Do que precisam:

  • Compromisso
  • Um calendário

Contem comigo,

Pablo

h1

Para casados: Como Sobreviver às Festas de Final de Ano

Dezembro 8, 2012

xmas-fight(Somente aos Sábados – Dicas Matrimoniais)

Para muitos casais, as festas de final de ano podem trazer stress, desentendimento e feridas sentimentais para o seu relacionamento.

Seguem algumas dicas e sugestões para sobreviver aos feriados e ainda manter o seu casamento intacto:

  1. Converse um com outro sobre suas expectativas neste final de ano.
  2. Antecipe áreas problemáticas tais como finanças, restrições de agenda ou sogros.
  3. Estabeleça alguns planos estratégicos para lidar com estes pontos críticos potenciais.
  4. Lembre-se: você sempre pode reservar um quarto num hotel. Não precisa ficar na casa de um familiar.
  5. Entre os dois, criem um código secreto que signifique “ME TIRE DAQUI, AGORA!”
  6. Se assegure de apenas participarem de jogos não competitivos.
  7. Lembre os demais de não discutirem religião ou política.
  8. Para quebrar a rotina ou mesmo quando o tédio surgir, faça pequenas excursões visitando atrações locais.’
  9. Não se permitam regredir para a infância só porque estão de volta à casa dos seus pais.  Você não tem mais 7 anos de idade!
  10. Se há algumas tradições na familia que você absolutamente odeia, compartilhe essa opinião com seu cônjuge.
  11. Não sobrecarreguem sua agenda.
  12. Trabalhem no sentido de criar boas lembranças. Vocês merecem.
  13. Comecem suas próprias tradições familiares.
  14. Lembre-se de focar nos seus relacionamentos e não em fazer coisas.
  15. Dedique tempo para se divertirem juntos!

E não se esqueça:

  1. Se houver algo que você realmente não quer fazer durante esses feriados, seja assertivo.

Habilidades que você precisa aplicar

  • Boa comunicação.
  • Flexibilidade.
  • Adaptabilidade.
  • Senso de humor.
  • Paciência.

Fotos: Marie HippenmeyerPara estas e outras habilidades, conte comigo.

Aposte num Feliz Natal e Próspero Ano Novo!

Pablo

h1

Afinal, quantas decisões são necessárias para alcançar o sucesso?

Novembro 1, 2011

[Uma estória baseada em fatos reais:]

Estava jantando com dois velhos amigos, Edgard e Melih – a propósito, é duro quando você percebe que “velhos amigos” não apenas indica a extensão da amizade, mas as nossas respectivas idades –, quando me deparei com uma situação delicada. 

O Edgard diz: “Detesto ser obeso. Já tentei de tudo, mas não consigo perder peso. O que você acha?” 

Normalmente, eu desviaria o assunto, mas sei que ele quer ouvir o que realmente penso: “Não acho que você queira perder peso”, disse. 

Ele levantou uma sobrancelha: “Você acha?”  

“Acho”, falei. “Se você quisesse perder peso, perderia. Mas você escolheu que não, e não há nada de errado com essa escolha. O único problema é que você está se martirizando por algo que você optou por não fazer.” 

Quer saber por que penso desta maneira? Todos nós sabemos como perder peso: coma menos calorias do que você queima e voilà! Você perde peso! Sem dúvida, a genética, o metabolismo e as desordens glandulares podem fazer com que perder peso seja mais difícil. Mas o fato de que todos os que comem menos calorias do que queimam perdem peso continua válido. Perder peso não tem nada a ver com uma dieta inédita ou com um exercício inovador ou mesmo com apertar um interruptor mágico que queima gordura… mas tem tudo a ver com decidir comer menos calorias do que você queima. 

Perder peso é uma escolha. Da mesma forma que ter sobrepeso é uma escolha também. Infelizmente, outras coisas também acontecem por escolha. 

“Faz sentido”, o Melih disse. Aí, ele olhou para mim. “Mas, se é assim tão simples, por que você não tem mais sucesso do que atualmente possui?” 

Estremeci, porque sabia onde esse papo ia acabar… e porque sabia que ele estava certo. 

“Pois é”, o Edgard acrescentou, entrando na conversa avidamente, já que o vento começava a soprar em outra direção. “Você tem escolhido não fazer melhor. Eu já estive em suas palestras: certamente poderia explorar audiências maiores. Você escreveu diversos artigos no seu e em outros blogs: poderia lançar um livro. Já aplicou coaching em importantes empresas e executivos no mercado brasileiro: poderia fazer mais na América Latina. Não me diga que não pode. Claramente, você escolheu não fazer.” 

Sabia que ele estava certo. Não porque tenho um talento incrível (longe disso!), mas porque o sucesso, para qualquer um de nós, em praticamente todas as áreas, é uma decisão. Poderia fazer palestras em eventos maiores, mas minhas ações mostram que escolhi não realizá-las. Poderia facilmente fazer coaching executivo e gestão de cultura organizacional em outros países da América Latina, se corresse atrás, mas não tenho feito isso. 

Nós – e aqui definitivamente eu me incluo – geralmente gostamos de pensar que a formação, ou a educação, ou as circunstâncias, ou a falta de contatos, ou a maré de azar nos detém. 

Pensando dessa forma, nos sentimos melhor, porque podemos transferir a culpa para longe de nós mesmos. Mas a culpa reside dentro de nós: a única coisa que realmente nos segura são as decisões que tomamos. 

Se você quer ser promovido, mas ainda não foi, dificilmente o motivo é porque seu chefe é injusto. Em vez disso, você decidiu não trabalhar mais, ou não ter mais iniciativa ou não assumir mais responsabilidades… ou apenas não disputar o jogo corporativo da forma como deve ser disputado na sua organização com o objetivo de “vencer” (você conhece as “regras”, apenas decidiu não segui-las, mas não se sinta mal, também já estive nessa situação). 

Se você quer que seu negócio cresça, mas isso ainda não aconteceu, com certeza fatores econômicos estão em jogo, mas provavelmente você também decidiu não mudar sua estratégia de vendas, ou mesmo modernizar sua operação, ou ainda simplesmente tentar novas coisas em resposta às recentes condições do mercado. Em suma, você consegue enxergar o que faz as outras empresas terem êxito, mas decidiu não seguir o exemplo delas. 

Felizmente, enquanto a culpa talvez se encontre sólida em nosso interior, o poder também está dentro de nós. O sucesso tem tudo a ver com decisões, nossas decisões. Até com decidir do que devemos abrir mão. 

Pense sobre suas metas. Como a maioria das pessoas, elas possivelmente seguem o curso do rio: você quer criar relacionamentos maravilhosos, constituir uma família, desfrutar do sucesso profissional, conquistar algo pessoal… tem um monte de coisas que quer realizar. Ótimo! Mas tem um problema. Não dá para ter tudo isso. E, se você escolher tentar ter tudo, sempre vai estar, até certo ponto, insatisfeito. 

Vamos dizer que quer criar uma família feliz. É possível, é só dedicar esforço e atenção. Digamos que quer iniciar um negócio. É possível, é só dar um duro danado. Digamos que quer escrever um livro. É possível, é só escrever, hora após hora, dia após dia, por quanto tempo for necessário. Digamos que quer correr uma maratona. É possível, é só fazer o treinamento adequado. 

Mas digamos que você quer fazer tudo isso acima – e tudo ao mesmo tempo. Na real? Não funciona. Em algo você vai ter de ceder. Sua família precisa de você mais que seu tênis de corrida, portanto o treinamento para a maratona vai rapidamente ser postergado. Seu negócio precisa de você mais que o mundo editorial, portanto, depois de seis meses, seu livro vai parecer mais um panfleto do que qualquer outra coisa. 

E não há nada errado com isso. Não podemos fazer tudo, mas todos nós podemos fazer algumas coisas realmente bem feitas. Decida o que é mais importante para você, decida concentrar-se nessas coisas… e decida abrir mão das coisas que quer fazer, mas que, na real, não dá (ao menos por enquanto). 

E eu? Não posso ser um aclamado palestrante e escrever um livro sobre sucesso profissional e apoiar a gestão da cultura organizacional da próxima empresa que sair na capa da revista Exame. Os segmentos são muito diferentes, e o esforço, a rede de contatos e o posicionamento demandados para alcançar (e permanecer) no topo de cada uma dessas atividades são significativos. Mas sinto-me confiante de que alcançarei com consistência uma dessas metas – se eu me decidir. 

E você também pode, qualquer que seja o segmento ou o alvo que você escolher, porque suas decisões podem tanto fazer com que o sucesso seja impossível… quanto INEVITÁVEL.

O mais legal é saber que a decisão cabe a você.

E não se esqueça: para estas e outras habilidades, conte comigo.

Pablo

h1

Dicas P/ Recém Graduados

Junho 5, 2011

Recebi uma mensagem na semana passada comentando que alguns dos meus posts seriam ótimos para disseminá-los entre universitários prestes a se formarem e que estão em busca de seus propósitos e paixões. É claro que meu blog é para pessoas de todas as idades, mas a mensagem me inspirou  a pensar em como o conteúdo do blog poderia beneficiar recem-formados e aí refleti sobre as seguintes questões…

1. Você está aqui por uma razão e a coisa mais importante que pode fazer na vida é encontrar, viver e compartilhar o seu propósito. Essa é a única coisa que realmente importa e se você não o perseguir, todo o resto não tem sentido algum.

2. Siga a sua paixão. É bem provável que assim você chegue ao seu propósito. Faça aquilo que te energiza. Sempre.

3. Talvez não saiba onde sua paixão está exatamente agora. Tudo bem. O importante é fazer com que ela seja a sua missão de vida, ou seja, encontrá-la, vivê-la e compartilhá-la. Para ajudá-lo a encontrar sua paixão, procure trabalhos e experiências que lhe permitam fazer uso de seus dons e talentos. Quem sabe num processo de coaching você não encontra essas  respostas?

4. Tenha cuidados com hobbies. Só porque adora dedicar tempo ao Facebook isso não significa que gostaria de trabalhar nesta empresa. E só porque adora cozinhar isso não significa que gostaria de ser dono de restaurante. Por exemplo, tenho uma amiga que foi proprietária de um bistrô mas ela se deu conta que não gosta do segmento de alimentos. Adora mesmo é a parte do atendimento e do marketing do negócio.

5. Quando abandonar algo, abandone pelas razões certas. Não largue porque é difícil ou porque está experimentando desafios. Largue porque lá no fundo do seu coração você sabe que há algo além daquilo para ser feito. Saia ou porque não está se beneficiando ou porque não está beneficiando a empresa para a qual trabalha. Saia porque está absolutamente certo que não tem significado algum estar onde está.

6. Aprenda algo de todo trabalho e toda experiência. Cada posição, seja boa ou má, o prepara para a função que, no final das contas, você foi talhado para exercer.

7. Decida simplesmente contribuir, qualquer que seja o trabalho que pegar depois de formado . Quando você contribui nas pequenas coisas, suas chances de contribuir nas grandes aumentam consideravelmente.

8. O trabalho dos seus sonhos provavelmente não é aquele sobre o qual você sonhava. Geralmente acabamos em carreiras surpreendentes que não tem nada a ver com nossa formação universitária ou mesmo com nossos sonhos de infância.

9. A busca pelo seu propósito não se dá em linha reta. Ela está cheia de mistérios, sinais, obstáculos, vitórias, becos sem saída, atrasos e desvios. Tenha fé e permaneça otimista na sua busca.

10. Não apresse o futuro. Existe um processo pelo qual as sementes devem passar para se transformar naquilo que se estão destinadas a se transformar, e você deve passar por este mesmo processo para se tornar a pessoa que está destinada a ser e fazer o trabalho que está destinado a fazer. Talvez queira que as coisas aconteçam AGORA, mas o mais provável é que se conseguir o que quer AGORA você não estaria preparado para ela. O processo de busca do propósito o prepara, o fortalece, o deixa em forma e o desenvolve para ter êxito, não na hora em que você quer, mas na hora certa.

Neste processo, conte comigo,

Pablo

h1

Não se identifique com seu estilo de vida, identifique-se com os seus valores.

Março 12, 2009

Li um artigo interessante sobre as armadilhas do consumo:

“Decisões financeiras são tomadas por impulso, compulsão e principalmente pelo significado que determinados produtos adquiridos têm para cada um. Da compra de um sapato à aquisição de um iate, o status, o poder, a auto-estima e a imagem que se quer passar para os outros são alguns dos motivadores – conscientes ou inconscientes – que determinam as escolhas das pessoas no dia-a-dia.

O problema está no excesso e quando o limite do consumo é ultrapassado as perdas são muitas, indo do endividamento ao sofrimento desmedido. Devedoras de uma imagem melhor, de um corpo perfeito, de uma inteligência maior ou de uma dedicação mais intensa aos filhos, as pessoas consomem produtos na tentativa de suprir uma falta que angustia, porque nunca é totalmente preenchida. Mas, como lidar com isso numa sociedade que exige e promove um consumo tão acelerado e vigoroso?

Por que as pessoas compram tanto? Quais são os motivos que levam ao endividamento repetitivo? O que faz as pessoas “esquecerem” suas reais condições financeiras e contraírem dívidas? Os afetos interferem nas decisões financeiras? Realmente, tudo na vida é pago? Pesquisas, livros, experiência de vida, trocas de idéias e as manifestações artísticas foram construindo respostas que ajudam aos que querem romper com as dívidas financeiras e emocionais.”

Em life coaching trato deste tema com o objetivo de gerar tranquilidade mental e liberdade. No final, o importante é você identificar o que existe na sua vida que realmente reflete você mesmo, os seus valores e as suas necessidades.

Não se identifique com o seu estilo de vida – pois este literalmente consome vida – e sim com os seus valores – isso sim é extraordinariamente atrativo!