Archive for the ‘comprometimento’ Category

h1

As 10 Melhores Resoluções para um 2015 Mais Positivo

Janeiro 5, 2015

2015As resoluções de Ano Novo predominam nas listas de prioridades a cada início do ano. O novo ano é um recomeço, portanto novas metas, novos planos, novos sonhos e novas direções alimentam nosso imaginário.

Por isso recomendo: não deixe de colocar por escrito suas resoluções para o Ano Novo. Você terá a oportunidade de reabastecer, revitalizar e renovar o seu espírito, aproveitando todas as possibilidades que se descortinam em 2015.

E se me permitir dar uma dica adicional, anote: se puder, dedique-se mais a si mesmo este ano. Isso não tem preço…

Mas vamos ao ponto principal deste post. Abaixo seguem 10 resoluções para aquelas pessoas que trabalham no mundo corporativo. Espero que elas o ajudem a fazer deste ano um ano fora-se-série!

Prometa que vai:

Fazer todo santo dia algo que realmente gosta muito (e que você faz como ninguém). No livro Primeiro Quebre Todas as Regras!, Marcus Buckingham e Curt Coffman da Gallup Organization descobriram essa questão crítica entrevistando 80.000 gerentes. Nestas entrevistas, eles resumiram o questionário focando-se  naquelas 12 questões que definem mais claramente ambientes de trabalho felizes, engajadores e produtivos.  Preste atenção nas 3 primeiras:

  1. Sei o que é esperado de mim no trabalho?
  2. Tenho o material e o equipamento que necessito para fazer o meu trabalho direito?
  3. No trabalho, tenho a oportunidade de fazer o que faço de melhor todo dia?

As pessoas que podiam responder afirmativamente estas perguntas estavam mais propensas a serem felizes e produtivas. Dito isto, só me resta dizer “Apaixone-se pelo seu trabalho! Faça todo dia algo que você faz como ninguém mais!”

Fazer todo santo dia algo só para você . Como executivo ou como profissional, você pode acabar fazendo coisas para os demais praticamente o tempo todo no seu horario de trabalho. Se ainda por cima tem uma familia que ocupa seu horário fora do trabalho, este risco é dobrado. Portanto, resolva dedicar todos os dias um tempo para si, seja ele para se exercitar, relaxar, refletir, fazer um jantar especial, tomar sorvete, escrever um artigo, jardinar, dar uma volta com o seu cachorro ou qualquer outra atividade que lhe dê prazer. Apenas se assegure que a atividade é diferente daquilo que já faz ao longo do dia. No final, pode ter certeza: você vai sentir a vida pulsando em suas veias!

Se dar crédito e tapinhas nas costas quando fizer por merecer. No estudo da Gallup (mencionado anteriormente), esta questão definiu os locais de trabalho mais produtivos. Pessoas que tinham recebido aprovação ou reconhecimento pelo seu trabalho nos últimos 7 dias eram mais felizes e produtivas que as demais.

Nesta era de funcionários mais independentes e controles gerenciais mais flexíveis, as possibilidade de uma interação frequente com o seu chefe é menor. Portanto, é importante um auto-reconhecimento pelos belos esforços realizados. Uma forma de fazer isso é manter um arquivo de notas positivas, cartas de agradecimento e mensagens sobre projetos exitosos. Eu costumava chamar o meu de “Coisas Legais”. Em suma: pare para curtir o seu sucesso a cada projeto ou iniciativa que você finalizar.

Batalhar para aprender algo novo todo santo dia. É fácil ficar preso nas mesmas coisas de sempre. Leia um artigo. Discuta uma nova abordagem com um colega. Pesquise na internet o que outras organizações estão fazendo… As oportunidades para aprender estão se muntiplicando todos os dias na era da informação. Agarre aquelas que mais chamarem a sua atenção.

Fazer contatos profissionais e, é claro,  networking. Procure colegas com os quais você perdeu contato. Se assegure de marcar pelo menos um encontro profissional todos os meses. Você vai se beneficiar das amizades e dos relacionamentos que desenvolver a partir de uma participação ativa. Não é o suficiente apenas se conectar. Você precisa participar para colher as recompensas de uma verdadeira rede colaborativa profissional.

Fotos: Marie HippenmeyerPara um 2015 mais positivo e para estar apto a transformar resoluções em realidade, conte comigo.

Pablo

P.S. 1 –  Quer ver as 5 seguintes?

P.S. 2 – Gostou? Para me seguir no Facebook, acesse https://www.facebook.com/coachingexecutivo

h1

3 Maneiras de Avaliar o Quanto um Candidato se Encaixa na Cultura Organizacional

Abril 17, 2013

Vários especialistas em seleção e recrutamento recomendam que, ao contratar, se leve em primeiro lugar as atitudes do candidato e, em segundo, as suas habilidades técnicas. A teoria é que você pode treinar competências, mas não valores. E, cá entre nós, o que as empresas necessitam são funcionários que se entrosem com seus valores fundamentais. Aqui seguem 3 maneiras de avaliar se um candidato vai se entrosar com os seus:

  1. Observe as interações. Os candidatos podem dizer que possuem os valores da companhia mas, ao invés disso, será bem melhor se eles puderem mostrá-los ao vivo e à cores. Peça aos entrevistados que participem de exercícios em grupo, ou que interajam com seus funcionários, a fim de checar se demonstram tais valores em situações quase que reais.
  2. Seja claro sobre a sua cultura. Seja franco e honesto sobre como as coisas realmente são dentro da sua empresa. Alguns candidatos vão sair pela tangente ao sentirem que de modo algum se encaixam nela.
  3. Busque os valores separadamente. Quando possível, avalie a questão dos valores utilizando um processo distinto. O mais provável é que você capte alguma coisa que teria perdido caso tentasse simultaneamente checar valores e habilidades técnicas.

Conte comigo,

Pablo

P.S. – Gostou? Para me seguir no Facebook, acesse https://www.facebook.com/coachingexecutivo

h1

As 10 Melhores Resoluções para um 2013 + Positivo (II)

Janeiro 4, 2013

resolucoes-para-2013Minhas primeiras cinco recomendações para resoluções de Ano Novo vão deixar sua vida em 2013 bem melhor. Este segundo pelotão de 5 recomendações vão selar o seu êxito. Acredite.

Ter coragem profissional para sair da zona de conforto. Você bem sabe quando se encontra na sua zona de conforto, certo? Um problema aparece e aí você escuta as desculpas que sua mente elabora sobre porque você não precisa falar, ou sobre porque se posicionar sobre uma questão vai acabar colocando-o em apuros. Ao menos uma vez, quando se encontrar nesta situação, coloque para fora o que está realmente pensando. Tão logo o choque inicial se dissipar, seus colegas vão admirá-lo. Se você soubesse o quão importante é que os integrantes de uma organização dêem feedback honesto e participem de corpo e alma nos conflitos necessários para aprimorar produtos ou serviços oferecidos aos clientes, não pensaria duas vezes em tomar tal atitude.

Quando começar a quebrar as barreiras que você mesmo se impôs, vai perceber que se expressar é cada vez mais e mais fácil. Por quê? Porque vai descobrir que pode sobreviver à experiência. Na verdade, sua carreira vai decolar como resultado da sua opção em deixar de lado sua confortável “caverna”. A maior parte das pessoas que decidem ter coragem profissional esperam o pior, mas acabam se vendo recompensadas pela nova postura. E, se por ventura você se vir “apanhando”, talvez seja hora de procurar um emprego diferente…  Afinal de contas, você não preferiria trabalhar onde pode expressar o que pensa com segurança?

Ouvir mais do que falar. O velho ditado sobre uma boca e duas orelhas é uma realidade. Como gerente, gasta muito do seu tempo em atividades e esforços que visam resolver problemas. Planeje neste ano ouvir tudo que seus colegas estão dizendo. Talvez seja isso o eles queiram: serem ouvidos, não conselhos ou “A” solução dos seus problemas. Talvez descubra nesse processo que não precisa assumir os “pepinos” para si. Sua capacidade de escutar pode encorajá-los a resolver seus próprios problemas. Quando eles se sentem plenamente ouvidos e com 100% de sua atenção, estarão mais predispostos a sair da inércia e agir. Nas palavras de Stephen Covey: procure primeiro compreender, depois ser compreendido.

Desenvolver um método para monitorar suas metas de vida, seus compromissos diários e sua lista de tarefas. Montar um planejamento, seja através do Microsoft Office Outlook no seu notebook ou no seu smartphone, vai permitir esvaziar muito dos detalhes diários que ocupam sua mente. Com isso mais espaço mental vai sobrar para destinar à pensamentos mais importantes.

Seja via papel & caneta ou via aparelhos eletrônicos, acompanhar suas atividades diárias vs. suas metas mais importantes é fundamental. Você quer se assegurar que vai realizar suas prioridades, certo? Então comece a estruturar sua metodologia, seja qual for.

Ler vorazmente para seguir aprendendo e crescendo. Eu planejo ler um par de livros por mes, além de revistas, jornais on-line e o The New York Times. Nem sempre consigo atingir esta meta, mas ela está sempre presente. Tente ler amplamente. Fuja dos livros sobre negócios de vez em quando para abordar outros temas que podem aprimorar seu ponto-de-vista.

Adotar um novo hobby ou uma nova atividade este ano. Talvez este seja o ano de começar sua nova coleção. Eu comecei a escrever no facebook, por exemplo. Se algo sempre o intrigou e provocou sua curiosidade, resolva dar os primeiros passos em participar do quer que seja este ano. Você acabará adicionando um nova dimensão ao seu mundo.

Se levar um pouco menos à sério. Na medida em que batalhamos por sucesso, podemos acabar ficando presos a sérias deliberações, aconselhamentos e soluções de problemas. Dedique um tempo para rir. Tire um tempo para sentir o cheiro de bolos e pães assando. Sorria quando ouvir estórias sobre tudo aquilo que os alucinados dos seus funcionários estão fazendo: você não precisa ser a “mãe” ou o “pai” o tempo todo. Curta o seu time por todas as pequenas esquisitices e diferenças…

Fotos: Marie Hippenmeyer(Tudo bem, eu menti. Para aqueles que estão contando, na realidade há 11 resoluções aqui, mas é que não quis abrir mão de nenhuma das anteriores… )

Desejo-lhe um feliz, saudável, próspero e fora-de-série 2013 e não deixe de adotar estas resoluções de Ano Novo (além de outras que você criar).

Conte comigo e sucesso neste 2013!

Pablo

P.S. – Gostou? Para me seguir no Facebook, acesse https://www.facebook.com/coachingexecutivo

h1

Para casados: Como dedicar tempo ao seu relacionamento

Dezembro 15, 2012
tempojuntosNão permitam que seus trabalhos, ou as crianças, ou a internet, ou os amigos, ou ainda os familiares (de um lado ou do outro), interfiram no seu casamento. Hoje em dia, vários casais chegam à conclusão que o fato de estarem casados não é garantia de que terão automaticamente tempo entre si. Se ambos vivem ocupados, precisam planejar como investir tempo juntos. Não há mágica, por isso compartilho algumas idéias:
  1. Agendem um fim de semana apenas para você dois. Registrem nos seus calendários, ou no outlook, ou onde for necessário, mas não alterem o evento por motivo algum. Inclusive não necessitam ir para um lugar em especial, podem ficar em casa se quiserem.
  2. Almocem juntos uma vez por semana. Se o dia estiver especialmente bonito, encontrem-se num parque.
  3. Deixem seus filhos saberem que vocês dois precisam ficar sozinhos. Digam-lhes que podem bater na porta  do quarto de vocês somente se a questão envolver sangue.
  4. Caminhem juntos pela vizinhança.
  5. Façam juntos as tarefas domésticas, tais como lavar os pratos ou ir ao açougue. Pode não parecer tempo qualitativo, mas com certeza pode se tornar.
  6. Quando no carro, executando tarefas externas, desliguem o rádio ou o cd player e conversem entre si.
  7. Tomem banho juntos.
  8. Dediquem 20 minutos ao dia  ao ato de dialogar.
  9. Se organizem para obter uma noite tranquila sozinhos ao menos uma vez ao mes.
  10. Contratem uma babá para cuidar das crianças durante um par de horas, não importa de você ficarem em casa.
  11. Negociem com outro casal para que cuidem dos seus filhos à noite de modo a que vocês possam curtir uma noite romântica sozinhos… e aí, em contrapartida, num outro dia cuidem dos deles.
  12. Marquem encontros entre vocês. Agendar uma saída juntos à noite ou à tarde duas vezes ao mes é um bom começo.
  13. Quando viajem juntos, não levem trabalho para o avião ou para o carro. Dediquem o tempo para conversarem entre si.
  14. Desliguem seus smartphones de vez em quando e se conectem entre si.
  15. Passem uma noite num motel.

Em suma:

Se não abrirem espaço nas suas respectivas agendas, não terão nunca tempo para relacionar-se.

Do que precisam:

  • Compromisso
  • Um calendário

Contem comigo,

Pablo

h1

Consultores ajudam profissionais a mudar foco da carreira II

Agosto 19, 2012

Saiu Hoje na Folha de São Paulo: “Consultores ajudam profissionais a mudar foco da carreira”, onde se afirma que a demanda por diversos serviços de suporte à carreira aumentou nos últimos anos. Isto me fez resgatar um post sobre os benefícios gerados pelo Coaching e o papel do Coach ao longo do processo. Veja acima:

www.room4d.com.br - Soluções em Desenvolvimento

Tenho parabenizado diversos amigos e colegas que tem galgado novos desafios em sua respectivas trajetorias profissionais e tambem aproveitado para sugerir aos mesmos que reflitam sobre a possibilidade de contratar um Coach Executivo para assegurar neste momento uma movimentação mais consistente.

Alguns se surprendem pois desconheciam este serviço, outros consideram a possibilidade uma quebra de paradigma pessoal.

Mas por que tenho nesta ventilado esta opção?

Porque precisamos de alguém já que não podemos observar nossas próprias ações sem a ajuda dos outros; é com os olhos dos outros que nos enxergamos melhor, que vemos quem realmente somos e os resultados que, de fato, produzimos.

Precisamos dos outros especialmente quando ainda não desenvolvemos uma habilidade que nos permita garantir uma adaptação 200% perfeita.

O coach nos ajuda a desenvolver confiança em nossas possibilidades e persistência diante dos obstáculos.

Precisamos dos outros até mesmo quando somos 100% competentes.

Queremos ser ouvidos, reconhecidos…

View original post mais 326 palavras

h1

E se o quanto você se conhece não for o suficiente para seguir tendo êxito?

Julho 3, 2012

conhece-teHá uma par de semanas escrevi um post intitulado “10 Dicas p/ a Insensibilidade Não Contaminar Sua Carreira“, no qual comentava que muitos dos executivos que me procuram chegam com um peso considerável nas costas pois haviam sido surpreendidos pelo resultado inesperado de uma avaliação 360º, onde profissionais e clientes ofereciam um feedback franco e direto. “Alguém anotou a placa?! Fui atropelado por um caminhão! O que exatamente aconteceu entre o antes e o depois desse feedback? Meu Deus, que crédito que devo dar ao conteúdo de uma avaliação 360 graus?”

Veja, existe uma grande possibilidade de que os demais não o enxerguem da maneira com você se vê. E aí pergunto: qual a perspectiva que mais importa? Resposta: a deles, é claro! E mais: se houver uma grande distância entre as duas, pode ser que esteja olhando para um obstáculo que está limitando os horizontes de sua carreira.

O que é particularmente cômico nesta questão, se não fosse trágico, é que o autoconhecimento, especialmente para executivos e líderes, é geralmente inversamente proporcional ao tamanho do ego. Em outras palavras, aqueles que necessitam ser mais conscientes raramente o são.  Este é mais um dos paradoxos da selva corporativa.

Veja o meu exemplo. Na minha carreira como executivo, sempre estive consciente do quão focado e duro eu era quando se tratava de tocar o negócio, mas não tinha a mínima idéia do quão intimidador e agressivo às vezes me tornava. Minha esposa costumava me dizer: “Pablo, não é o que você diz mas como você fala”. A questão é que quando a gente não tem noção do próprio comportamento, feedbacks sutis não funcionam, ou seja, o que é necessário, em bom português, é uma monumental porrada.

Isso dito, possivelmente não há nada mais revelador do que determinar  o quão consistente é sua auto-imagem vs. a maneira como os demais o enxergam. Se a diferença é pequena, siga em frente. Se não, você pode aumentar suas chances de sucesso na carreira – e, de lambuja, ter uma vida mais feliz – embarcando numa pequena jornada de autodescobrimento.

A escolha, naturalmente, é sua, e você não deve tomar a decisão de forma displicente. Dá medo, sem dúvida, mas sair da zona de conforto sempre provoca essa sensação. Afinal, nunca se sabe o que vai dar. Ainda assim, esse é um risco que vale a pena assumir. Palavra de quem já acumulou várias cicatrizes ao longo do caminho.

A boa notícia é que a iniciativa é relativamente fácil de executá-la. Tudo que você tem  que fazer é perguntar às pessoas certas as questões certas da maneira certa. Ou seja, solicite ao RH (ou a um Coach) a tal avaliação 360 graus, envolvendo seu chefe, subordinados, pares e mesmo clientes, e não se esqueça de garantir o anonimato das respostas fornecidas.

Pergunte sobre o seu comportamento no dia a dia e sob pressão. Questione sobre sua habilidade de se comunicar, de tomar decisões e como você pode ser mais efetivo. Indague o que você pode fazer para torná-los mais efetivos e alcançarem mais sucesso. Solicite que o descrevam, apontando pontos fortes e oportunidades, e que não diluam suas fraquezas, pois você quer um quadro fiel.

Agora a má notícia: se o resultado for inesperado, este é apenas o início. A parte mais díficil será compreender porque a sua auto-imagem não corresponde à realidade. É isso mesmo, meus amigos: a forma como os demais o vêem É a realidade. E logo após esse doloroso insight, a transformação passa a ser uma possibilidade. E com ela vem mais dor pela frente, mas aí sim trata-se de uma jornada e, portanto, recomendo: um passo de cada vez.

Isso vai ajudar sua carreira e sua vida? Com certeza! Mas somente se estiver disposto a ser 100% honesto consigo mesmo. E é justamente aí que o caminho da autoconsciência se inicia. Agora, onde ele vai terminar, isso só depende de você, do quão aberto está para novas possibilidades e do quão duro está disposto a dar.

Para estas e outras habilidades, conte comigo. Como costumo dizer: melhor do que você apenas assistir ao Brasil dar o seu melhor, é você também se tornar o melhor que pode ser.

Pablo

Para me seguir no Facebook – https://www.facebook.com/coachingexecutivo

h1

Atributos que os Gerentes Consideram + que Desejáveis

Outubro 26, 2011

Sabe porque hoje em dia tantos funcionários dão excessiva atenção ao chefe? Será que é porque o chefe controla a vida profissional deles? Poderia ser, mas não é essa a razão principal. Será que é porque o chefe possue a chave para incontáveis tesouros (leia-se aumentos, bônus e promoções)? Novamente poderia ser, mas também não é isso.

Os funcionários concentram-se no chefe porque é muito mais fácil reclamar sobre alguém que arruina suas vidas do que é assumir responsabilidade pela própria carreira, pelas próprias ações, pelos próprios problemas e pelas próprias decisões (isso sem mencionar um eventual comportamento auto-destrutivo).

Enquanto um psiquiatra pode achar fascinante todo esse comportamento infantil (além de relativamente lucrativo), garanto que seu chefe não vai considerá-lo divertido. Nem um tantinho sequer. Afinal de contas, fala sério, onde é que você acha que está? Não pense que seu chefe não percebe o que acontece ao redor. Ora, ele pode ser um maníaco por micro-gerenciamento, mas certamente não é um idiota.

Você acha que o seu chefe não percebe esse seu sorrisinho malicioso ou mesmo seu desdém quando entra na sala? Acha que ele não consegue ler a sua linguagem corporal? Ou que não têm outras pessoas dizendo para ele o que está rolando nos bastidores?

Pois bem, fui gerente e executivo senior durante mais de 20 anos e posso lhe garantir com absoluta certeza que, a menos que seu chefe seja um completo incompetente, ele sabe o necessário sobre você. E a propósito, não, o tal Papai Noel não existe, mas existe sim um Chefe Noel, e ele sabe se você foi mau sujeito ou um cara boa praça, tenha certeza disso.

Analogias à parte, o ponto ao qual quero chegar é que você sempre tem o poder de escolher e esta é a escolha mais importante que todo funcionário faz:

Você vai ser um bom ou um mau funcionário?

Vai acreditar em si, tornar-se o melhor que pode ser, e confiar que isso vai valer a pena no final?

Ou vai ingressar no “lado negro” e passar a vida com inveja, zangado e amargurado?

Se sua resposta for a primeira, então preste atenção abaixo nos Atributos que o Gerentes Consideram Mais Que Desejáveis e invista no seu aprimoramento profissional 

  1. Faz o que é necessário para realizar o trabalho. Esta está em primeiro lugar na lista de coisas que todo gerente mais valoriza num funcionário. Ela foi uma das primeiras lições que aprendi logo cedo e que fez uma grande diferença na minha carreira.
  2. Cumpre seus compromissos. Quando você diz que vai fazer algo até uma certa data, você dá um jeito. Quando você diz que isso vai custar x, seu chefe pode alocar esse montante no orçamento. Você assume responsabilidade de modo que seu chefe não tem que cobrir lacunas. Só pelo fato de saber que você estará presente, isso já reduz consideravelmente o estress do seu chefe.
  3. É corajoso. Você percebe que o mundo corporativo é uma esporte de combate e que no ringue vai receber alguns golpes. Pode ainda sofrer algumas penalidades no trajeto. Mas a competição não te apavora. O confronto não te assusta. Você não se intimida com a exposição. Ao contrário, ela te energiza.
  4. Desafia o status quo. Você é genuino, direto, confiante e se sente confortável sendo você mesmo. Diz as coisas como elas são e o que pensa sobre o assunto. Não doura a pílula e não costuma por panos quentes. Quando não sabe, diz que não sabe. Não se assusta com a autoridade, portanto não trata o seu chefe ou o CEO como se fossem personagens do além.
  5. É um solucionador de problemas inovador. Olha as coisas a partir de um ângulo diferente e vira os problemas de cabeça para baixo em busca de soluções únicas. Quanto mais difícil o problema, maior é o desafio e mais você se empenha para encontrar a resposta. Sua vida é solucionar problemas.
  6. Seu foco é afiado. Não perde a concentração ao primeiro sinal de confusão ou de complexidade. Muito pelo contrário, é calmo e firme. Você se concentra quando todos os demais correm feito baratas tontas. Você é uma ilha serena num oceano caótico.
  7. Seu custo de manutenção é baixo. Você não choraminga nem reclama. Não precisa que segurem sua mão por qualquer coisinha. Não absorve as coisas de modo pessoal. Tem uma “carapaça” razoavelmente resistente. As pessoas não tem que andar sobre ovos ao seu redor e estarem constantemente preocupadas se o ofenderam de alguma forma.

É bem verdade que este post parte do pressuposto que seu chefe tem auto-confiança  e competência o suficiente para lidar e se beneficiar com um funcionário que possua todos estes  atributos fora-de-série. Certamente nem todos valem a pena o esforço dedicado. Mas o ponto é que você não pode controlar o seu chefe. O que você sim pode controlar é você mesmo.

Portanto encare a situação da seguinte forma. Se você trabalha para um chefe “ruinzinho”, saiba que mais cedo ou mais tarde, vai sair e trabalhar para um bom. Como se diz por aí, talvez você tenha que lidar com alguns sapos, mas eventualmente, vai encontrar um ou mais que sabem o que estão fazendo  e como reconhecer um funcionário que tem características mais do que especiais.

E quando isso acontecer, este conselho terá vindo em boa hora. E quer saber? Se você domina estas habilidades – ou pelo menos a maioria delas – então um belo dia você será o chefe. E vai ser um daqueles que se destacam, inspirando seus funcionários a serem os melhores que podem ser. Falo sério.

Para estas e outras habilidades que fazem a diferença, conte comigo.

Pablo

P.S. – Para me seguir no Facebook – https://www.facebook.com/coachingexecutivo

h1

UMA PALAVRA QUE VAI MUDAR SUA VIDA

Janeiro 24, 2011

Tenho um par de amigos que acreditam que uma palavra pode mudar nossa vida. Todos os anos, antes do Ano Novo, eles trazem à tona a palavra deles para o ano seguinte: aquela que vai dar significado e foco para as suas vidas.

Importante: eles dizem que não pegam aleatoriamente uma palavra, mas que ela acaba vindo até eles a partir de uma profunda reflexão e escutando atentamente o coração.

Achei a idéia brilhante.

Vivemos num mundo cheio de estress, sem tempo para nada e com um monte de distrações que nos fazem deixar de lado nossas resoluções e nos esquecer de nossas metas. Mas todos nós podemos nos lembrar e nos focar através de uma única palavra que representa a essência daquilo que esperamos alcançar e/ou daquilo que queremos nos tornar.

Fiquei inspirado para fazer o mesmo.

A palavra que escolhi foi PROPÓSITO.

Vou estar prospectando e executando um monte este ano, com o objetivo de aprimorar executivos, times e culturas organizacionais, e certamente a agenda pode ser exaustiva. Entretanto, me focando no meu propósito de fazer a diferença, sei que isso vai me reenergizar e me manter firme nos trilhos. Afinal das contas, estou ciente que se meu propósito for maior do que os meus desafios, estarei tão empolgado em Junho quanto estou agora em Janeiro. Portanto é isso aí: minha palavra é PROPÓSITO.

A palavra da minha esposa é APRENDIZADO.

Ela percebeu que a nossa filha – que está prestes a nascer a qualquer momento – será uma fonte inesgotável de alegria e com ela o modo de enxergar a vida será constantemente revisitado.

Fazer este exercício com a Milena foi divertido e muito significativo. Isso é algo que inclusive você pode fazer com o seu time no trabalho e também com a sua familia em casa. Imagine se todo mundo no trabalho soubesse a sua respectiva palavra e as vivenciassem a cada dia de modo a que eles e suas equipes fossem melhores. 

Uma vez que a sua palavra veio à tona você pode exibi-la na sua mesa ou pode ainda transformá-la numa pintura (e por que não?). Todo Ano Novo, cada um desses meus dois amigos e suas familias pintam a sua palavra (vejam a foto ao lado).

E então, qual a sua palavra para este ano? Ainda estamos na terceira semana de Janeiro e não é tão tarde para trazer uma à tona. Que palavra lhe daria foco e motivo para fazer de 2011 o seu melhor ano? Compartilhe sua palavra comigo e com os demais nos comentários abaixo.

Conte comigo,

Pablo

h1

Dicas que ajudarão VOCÊ a Mudar e Obter + Sucesso

Dezembro 2, 2009

Solicite feedback: 1) sobre comportamentos que você acha importantes e que você selecionou 2) para avaliadores que você também considera  importantes e que você também selecionou

É difícil medir a efetividade numa mudança comportamental a não ser que haja um acordo em relação a qual é o comportamento ideal. É bem provável que você tenha uma alta necessidade de autodeterminação. E, afinal de contas, o dono do processo de mudança comportamental é VOCÊ, que está tentando mudar, e não o seu coach.

Você precisa claramente definir qual é o comportamento ideal para ser o melhor na posição que você ocupa, caso contrário, você estará possivelmente inclinado a desprezar a validade dos comentários sobre o seu comportamento atual. Quanto mais envolvido estiver em determinar qual é o comportamento desejado, mais você irá se comprometer em demonstrar esse mesmo comportamento. Pessoas de sucesso são muito receptivas em ajudar no atingimento das metas que elas próprias definiram. Por outro lado, elas tendem a resistir às mudanças que as façam se sentir julgadas ou manipuladas.

Pessoas de sucesso também desejam ser internamente consistentes. Se os líderes publicamente estabelecem que determinado comportamento é importante, elas estarão mais inclinadas a batalhar para ser um modelo positivo na demonstração desse comportamento.

A partir da minha experiência em estabelecer perfis de liderança, conclui que praticamente todos os executivos vão desenvolver um belo perfil dos comportamentos desejados para si. Na maioria dos casos, entender que os comportamentos são desejados não será o maior desafio. O SEU maior desafio será demonstrar esses comportamentos.

Um exemplo da importância de envolver você no desenvolvimento de seu próprio perfil aconteceu com uma cliente que era Vice Presidente Comercial. Quando ela recebeu feedback dos seus pares (sobre o seu próprio comportamento), olhou ceticamente para um dos itens mais baixos do resultado da avaliação e  perguntou: “Quem foi que quis incluir este item?”. Eu respondi: “Você!” Então ela se lembrou do porquê quis incluir o item e efetivamente começou a encarar o fato de que o grande problema era o seu próprio comportamento e não o item expresso o papel.

(continua)

h1

Não perca tempo cometendo os mesmos erros

Fevereiro 13, 2009

failingEstava revendo minha caixa de mensagens e saltou este artigo publicado na administradores.com:

“Vivemos numa sociedade que não tolera mais pessoas que se acham “vítimas”, pessoas que justificam o seu fracasso. O mundo avança muito rápido e o indivíduo que ficar parado vai naturalmente ser deixado para trás. Para ajudar a essas e outras pessoas, surgiu a figura do “Coach”, para ajudar a pessoa tanto na vida pessoal quanto empresarial, para relembrar ao indivíduo que existem maneiras de transformar sonhos em realidade, potencial em excelência. Inteligência emocional, equilíbrio de vida, liderança, negociação efetiva, resiliência, alto desempenho, são habilidades aprendidas e nada melhor do que ter um coach para ajudá-lo a desenvolvê-las.

É comum vermos pessoas bem-sucedidas mencionarem a presença de um mentor, alguém mais experiente que acreditou nelas e ajudou-as de alguma forma, para que elas não perdessem tempo cometendo os mesmos erros.

Embora o Coach se assemelhe a figura do mentor, na prática, ele atua de maneira diferente. Seu foco principal é fazer o cliente assumir o controle de sua própria vida, desenvolvendo competências que o façam atingir as metas determinadas por ele (o cliente).

Emprestou-se este nome “Coach” do mundo esportivo, onde o coach (técnico do time) faz o papel do mentor, com objetivo de aumentar o nível de excelência de seus atletas. Nos últimos dez anos surgiu com força total o papel do coach pessoal e profissional. Existem dois principais motivos para esta atividade estar se difundido tão rapidamente:

1) ele atende a necessidade social e histórica de necessitarmos de um mentor que nos oriente, que nos ajudem a ter mais excelência em nossas vidas pessoais;

2) ele, comprovadamente contribui para uma melhora na produtividade do profissional na empresa, tornando-o mais efetivo e expandindo suas competências

Apesar de lidar com potenciais humanos, o processo de coaching é totalmente diferente de psicoterapia. Com o terapeuta, fala-se de transtornos e traumas emocionais; com o coach fala-se das metas que se pretende alcançar. O objetivo do coaching é criar a vida mais próxima do ideal projetado pelo cliente, com foco na ação e desempenho.

No campo pessoal: o life coaching ajuda o cliente a reavaliar e equilibrar todas as áreas de sua vida. O objetivo é estabelecer as bases para o cliente ser a melhor pessoa que puder ser. É ajudar o cliente a transpor os bloqueios que o impedem de ter uma vida de alta qualidade, através da habilidade de ficar focado nos passos que o levará de onde ele está para onde ele quer chegar.

No campo empresarial: o coaching é usado para aumentar as competências do executivo ou empresário, para que ele se torne um líder mais efetivo com inteligência emocional mais avançada. Pesquisas mostram que entre os fatores que causam mais prejuízo para a carreira do executivo estão:

1) a falta de capacidade de lidar com adversidades de maneira equilibrada

2) a qualidade de relacionamentos que ele estabelece com seus colegas, subordinados ou chefes na empresa.”

(Huáras Duarte)

Credibilidade e eficiência andam de mãos dadas. Qual o seu crédito na praça?