Archive for the ‘Politicagem’ Category

h1

Por Que Você Cisma em Não Circular com Destreza pelos Labirintos Corporativos?

Julho 19, 2018

agilidade organizacionalAs empresas podem ser labirintos complexos, cheios de voltas, becos sem saída, atalhos e bifurcações. Na maioria das organizações, o melhor caminho para chegar a algum lugar quase nunca é uma linha reta. Você acha engraçado? É a mais pura verdade. Existe uma estrutura formal, aquela do organograma, onde o caminho parece ser uma linha direta, e existe também a estrutura informal, onde os caminhos se cruzam uma ou várias vezes. Considerando que as organizações são compostas por pessoas, elas tornam-se complexas, beeem mais complexas.

É uma “fauna e flora” muito rica: existem pessoas que agem como filtros, como catalisadores, como obstáculos, como antagonistas, como guias, como bons samaritanos e ainda como influenciadores. Esta “fauna e flora” se desenvolve nesse labirinto com maior ou menor intensidade dependendo da cultura existente. O ponto crucial para alcançar êxito ao transitar pela complexidade das organizações é justamente encontrar um caminho que o leve à sua meta no menor tempo e fazendo o menor número de marolas possível. A melhor maneira de fazer isso é aceitar e absorver a complexidade das empresas (em vez de combatê-la ou lamuriar-se), aprendendo a andar com destreza pelo labirinto corporativo.

E aí chego ao cerne deste post, pois dez considerações são fundamentais neste processo de aprendizado. Veja a seguir:

  1. Faça uma avaliação em relação ao seu desempenho. Tente fazer uma avaliação mais honesta que puder sobre o motivo pelo qual não é suficiente habilidoso ao realizar o trabalho de maneira suave e eficaz dentro da organização. Peça feedback para pelo menos uma pessoa de cada grupo com o qual trabalha.
  2. Dê uma sacudida nas velhas abordagens. O que está fazendo agora que aparentemente não está funcionando? Mude alguma coisa. Experimente fazer o que geralmente não faz. Observe o que os demais fazem que é bem mais eficiente comparativamente ao que você faz. Monitore o que funcionou e o que não funcionou.
  3. Passe uma impressão positiva. O seu estilo pessoal pode estar atrapalhando. As pessoas deixam impressões diferentes. Quem dá uma impressão positiva consegue fazer mais coisas dentro da empresa do que aqueles que deixam uma má impressão. De que lado você está? Não se esqueça  que impressões positivas incluem a habilidade de ouvir.
  4. Seja imparcial. As relações que funcionam estão baseadas na imparcialidade e na consideração do impacto sobre os demais. Não se limite a fazer solicitações e perguntas, chegue também num consenso quanto a como pode ajudar, em vez de apenas pedir apoio. Você sabe o que a área com a qual você entrou em contato precisa para solucionar um problema ou obter uma informação? Como eles veem esta questão? É importante para eles? Como serão afetados pelo que você está fazendo? Se isso os impacta negativamente, você pode oferecer algo em troca?
  5. Mapeie outras fontes de suporte. Às vezes, o problema está  na avaliação das pessoas. Quem quer mesmo ajudar? Quem vai acabar atrapalhando? No fundo, o que eles querem?  O que eles vão pedir em troca do apoio?
  6. Considere a natureza da organização (e não se frustre). Às vezes, o problema está em subestimar a complexidade das organizações. Algumas pessoas sempre gostam de pensar que as coisas são mais simples do que realmente são. Apesar de ser possível que algumas empresas sejam simples, a maioria não é. Tenha sempre isso em mente.
  7. Foque. Às vezes, a falta de organização é o que lhe causa problemas. Compreender como as organizações funcionam requer um pouco de disciplina. Você precisa enxergar além do que está na sua frente para realmente compreender o contexto.
  8. Deixe o rio te levar. Algumas pessoas sabem quais são os passos necessários para concretizar algo, mas não tem a paciência necessária para acompanhar o processo. Transitar pelo labirinto inclui parar de vez em quando e deixar que as coisas sigam seu próprio curso. Paciência e agilidade em aprender podem fazer uma grande diferença ao mapear caminhos, esquinas, ruas sem saída e atalhos.
  9. Saiba esperar o inesperado. Se você geralmente perde a cabeça ou fica frustrado, pratique as respostas antes do fato se consumar. Qual seria o pior do cenários? O que faria se isso acontecesse? Pode parar, contar até 10 ou se perguntar por que algo não pode ser feito. Assim, pode obter as informações necessárias e criar contra-reações. Não reaja, aprenda.
  10. Identifique as principais peças e que papéis desempenham no tabuleiro corporativo. Como elas concretizam as coisas?  Em quem confiam para fazer as coisas andarem mais rápido pelo labirinto? Como você se compara a elas? Quais são as peças chave que controlam o fluxo de recursos, dados e decisões? Quais são as peças guias e orientadoras? Conheça cada uma delas mais a fundo. Quais são as principais antagonistas e quais são as peças-obstáculos? Tente evitá-las e ou contorná-las. Afinal, nunca é tarde para se aprimorar no xadrez corporativo.

pablo

Para estas e outras habilidades gerenciais, conte comigo. Torne-se o melhor que você pode ser.

Pablo

P.S. – Gostou? Para me seguir no Facebook, acesse https://www.facebook.com/coachingexecutivo

Anúncios
h1

Você se conectou hoje? – Um Papo Franco sobre Networking…

Abril 3, 2015

network-thumbEnquanto as empresas estão de olho no que você faz na internet e ferramentas como o LinkedIn ganham cada vez mais força na hora de recrutar profissionais, eu me pergunto: qual a importância do networking na carreira de um executivo?

Não importa como você encare isso, seu sucesso no mundo corporativo depende de sua habilidade de relacionar-se com êxito. Algumas pessoas consideram networking “politicagem” e evitam tal prática, mas tem muito mais por detrás desta questão.

Comunique-se para Cima e para Baixo na Hierarquia Organizacional

Sucesso em networking significa ser competente comunicando-se efetivamente não apenas com seus pares  e seus chefes, mas também com seus funcionários. Vamos começar por aí. Você nunca vai chegar ao topo da hierarquia sem o apoio dos funcionários abaixo de você. Estas são as pessoas que fazem o trabalho – aquelas cujo esforço e entusiasmo determinam o seu sucesso ou o seu fracasso. Para ser promovido, você precisa ter êxito na sua posição atual e, definitivamente, não há como ter sucesso nela sem o compromisso das pessoas que trabalham para você. Veja, além de simplesmente fazerem seu serviço, esmerando-se ou não para você ficar “bem na fita”, seus funcionários são também uma boa fonte de networking. Vários deles conhecem outros funcionários em outros departamentos e, inevitavelmente,  todos eles se falam. Alguns podem inclusive conhecer outros gestores. As conversas que seus funcionários têm com essas outras pessoas podem ter um impacto direto no seu crescimento dentro da empresa. Já pensou nisso? Imagine se um dos seus funcionários diz a um amigo na organização: “Meu chefe é um verdadeiro mané. Ele não sabe o que está fazendo e simplesmente não ouve”. Um outro funcionário diz sobre a sua gestora: “Eu detestaria ficar sem ela como chefe, mas sem dúvida ela seria brilhante como VP”. Qual dos dois você acha que têm maiores probabilidades de ser promovido? Pois é. Já seus pares estão competindo com você por uma promoção, mas eles também são fundamentais para o seu êxito. Quanto mais alto você for na sua carreira, mais seu sucesso dependerá de sua habilidade em trabalhar com todas as linhas funcionais. Isso significa que você precisa estabelecer boas relações de trabalho com os seus pares. Se eles vão ajudá-lo por amizade, interesse próprio ou medo, isso não vêm ao caso, mas você bem sabe qual é o cenário mais confiável, certo? No final das contas, ser selecionado para escalar um nível mais alto depende do seu chefe ou de alguém numa posição mais alta dentro da organização. Quanto mais este executivo sênior pensar nas suas competências e no seu estilo, maiores serão suas possibilidades de ser promovido.

Como Praticar Network Eficazmente

Algumas redes de relacionamento são construídas com base no medo, desconfianças, intrigas e  punhaladas pelas costas. Elas podem funcionar, é claro, e representam a plataforma daquilo a que nós geralmente nos referimos como “politicagem corporativa”. Outras redes são baseadas no preenchimento das necessidades e desejos uns dos outros. Mesmo quando os diferentes integrantes de tais redes obtêm algum benefício fora da rede, eles seguem trabalhando apoiando uns aos outros e incrementando o sucesso de seus integrantes – pelo menos enquanto isso não interferir nas suas próprias necessidades. Finalmente, existem as redes de amigos. Eles fazem o que podem para ajudar um ao outro, sem nenhuma preocupação em relação ao beneficio que podem extrair, apenas pelo simples fato de serem amigos. Há 2 coisas sobre as quais você precisa estar consciente na medida em que constrói suas redes no trabalho:

  • A maioria das redes são uma combinação de todos estes 3 elementos: politicagem, benefício mútuo e amizade
  • É essencialmente importante saber qual deles predomina nas redes de relacionamento em que você participa.

Tipos de Redes Eficazes

Você pode construir sua rede com base em qualquer um desses 3 tipos, dependendo do seu estilo pessoal e de suas preferências. Se você se sente confortável no mundo das punhaladas nas costas, se supera atacando de surpresa os demais, se quer seguir adiante atropelando os outros… vá em frente.  Esse é um método que tem funcionado para muitas pessoas no passado e, sem dúvida, vai continuar funcionando. Se você se sente mais confortável num mundo onde os pares tratam uns aos outros como profissionais e trabalham juntos em prol de benefícios mútuos até o final, então este deve ser o tipo de rede a construir.

  • Conheça seus pares.
  • Descubra o que eles precisam para ter êxito.
  • Ajude-os a ter mais sucesso nas suas funções.
  • Deixe-os saber do que você precisa.
  • Seja profissional e acadêmico.
  • Reconheça que, no final das contas, você pode ter que se virar sozinho.

Se você prefere construir amizades e contar com esses amigos do trabalho como rede, então este é o modelo na qual deve investir. Está é a rede mais segura – a mais confiável inclusive – mas também é a que leva mais tempo e energia para construir.

  • Cultive amigos no trabalho como faria em qualquer outro lugar.
  • Ganhe a confiança e a amizade deles.
  • Confie neles e sejam efetivamente amigos.
  • Seja aberto e franco sobre o que precisa e quer na sua carreira.
  • Peça a eles ajuda e também conselhos de como seguir adiante.
  • Esteja preparado para apoiar um deles que, eventualmente, pode  vir a ser promovido antes de você.

Um Networking Real de Successo

Deixe-me dividir com você minha escolha de networking profissional. Talvez ele não funcione para você e talvez eu pudesse ter feito melhor com um sistema diferente. Eu tinha menos de 40 anos quando me tornei VP. Ainda não me tornei CEO de um conglomerado multi-nacional mas, na ponta do lápis, estou muito feliz com as opções que fiz e o sucesso que alcancei ao longo da minha carreira.  Este sucesso foi construido a partir de muito trabalho duro e talento e não com base na minha habilidade em pisar nos outros. Foi também erguido a partir da minha competência em formar redes e de me comunicar de forma eficaz com pessoas de todos os níveis, na medida em que eu subia na hierarquia corporativa. Eu sempre construí minhas redes como mutuamente benéficas. Mas, desde que passei a atuar na área de desenvolvimento humano e organizacional, meus sócios, meus parceiros comerciais e meus clientes se transformaram em mais do que isso. Muitos deles acabaram virando amigos. Algumas amizades ultrapassaram inclusive o universo do trabalho. Eu dependo desta rede, baseada no respeito e na confiança mútua, quando preciso de bons conselhos. Eu ligo para eles quando problemas aparecem. Se preciso de recomendações em relação a uma nova parceria, posso geralmente contar diretamente com um deles ou indiretamente com suas respectivas redes. Quando preciso me conectar com um cliente em potencial, minha rede de colegas e amigos pode geralmente encontrar para mim uma boa conexão.

No Final das Contas

Construa qualquer que seja o tipo de networking (ou combinação de tipos) que melhor funcione para você:

  • Politicagem
  • Benefício Mútuo ou
  • Amigos.

Invista tempo na sua rede para que ela possa trabalhar para você. Você não pode ir em frente sem os outros. Descubra como quer que os demais se envolvam no seu sucesso e corra atrás. E finalmente só posso dizer mais uma coisa:

boa sorte!

Fotos: Marie HippenmeyerPara desenvolver estas e outras habilidades, conte comigo.

Pablo

P.S. – Gostou? Para me seguir no Facebook, acesse https://www.facebook.com/coachingexecutivo

h1

Minha Carta Anual para o Papai Noel

Dezembro 22, 2010

Querido Papai Noel,

Bem, não foi um ano fácil, mas graças  a nossa constante criatividade na busca de soluções, superamos as expectativas . Temos aberto uma série de portas a partir da rede de relacionamentos do LinkedIn, mesmo quando os contatos não tem de imediato nenhum projeto em vista para oferecer. O faturamento tem excedido as despesas, portanto certamente nosso banco está contente.

Quando olho para trás e vejo o que fomos capazes de realizar esse ano, o que mais me dá orgulho foi o que nossos coachees foram capazes de alcançar. Este ano dei uma pequena revisada na minha “Lista de Desejos” justamente para refletir tal sentimento. Eis a lista:

Desejo que mais empresas reconheçam o valor de seus funcionários

Por que  tantas empresas não percebem que estariam fora do mercado se não fosse pelos seus funcionários? Se elas pudessem fazer tudo sozinhas… mas não podem, portanto necessitam  deles. Por que investir todo aquele dinheiro para encontrar e contratar os melhores funcionários se daí elas começam imediatamente a desmoralizá-los?

Por que não demonstrar o quanto são apreciados? Não lhes dê apenas uma festa de Natal ou um bônus de final de ano. Ao invés disso, ofereça-lhes desafios o ano inteiro. E dê feedback honesto sobre o quão bem eles estão fazendo esse trabalho. Trate-os como gente de verdade!

• Seria muito bacana se os funcionários enxergassem seus empregos mais como uma forma de ajudar as suas empresas e menos como apenas uma fonte de renda

Se os funcionários pudessem enxergar seus empregos através dos olhos da empresa, veriam que o que ela necessita vai além de aparecerem no horário combinado. Para a empresa sobreviver e prosperar, ela precisa lucrar. E isso não será possível sem que cada um deles vista de coração a sua camisa.

É necessário que os funcionários enxerguem como eles podem aumentar as vendas da empresa ou como diminuir os custos. Existe forma melhor ou mais rápida de executar o seu trabalho? Dá para fazer uma etapa de maneira diferente tornando mais fácil a execução da etapa seguinte pelos demais? Custa  muito confiar no chefe e tentar algo novo?

• Com certeza desejo que tanto as empresas quanto seus funcionários compreendam o quanto ambos precisam de seus clientes

Sem clientes, um negócio não tem razão de existir e obviamente não vai durar muito. As empresas e seus funcionários necessitam transformar a “satisfação do cliente” em mais do que apenas um indicador de performance. Todos nós sabemos o quanto mais caro é conquistar um novo cliente do que é manter um cliente antigo, mas isso nem sempre se reflete em como nós os tratamos.

Não monitore o tempo de espera do seu cliente ao telefone vs. a média da sua indústria, mas sim considerando como você se sentiria se esse fosse você aguardando. Procure formas de facilitar a vida do seu cliente ao comprar, obter assistência e resolver problemas. Mantenha os clientes felizes e certamente você poderá conta com eles.

• E finalmente: Desejo que as empresas elaborem um plano de cultura organizacional, da mesma forma que constroem seus planos financeiros, operacionais, de marketing, etc, a fim de assegurar que os líderes pratiquem aquilo que discursam

Trabalhar a cultura organizacional vai de encontro às diversas frustrações que os funcionários têm na sua vida profissional – tomada lenta de decisões, politicagem, pessoas que não mantêm suas palavras, idéias que não são valorizadas, burocracia, etc.  Um plano de cultura vai descobrir as raízes dessas características, checando os valores, as crenças e os comportamentos que são norma na empresa. Esse plano demanda que a liderança expresse claramente os valores que aspiram, e esses atributos são aqueles pelos quais os funcionários se sentem orgulhosos.

Entretanto, uma vez que estes valores são declarados, será ônus dos líderes viver de acordo com essas aspirações. Quando há desalinhamento entre a prática e o discurso, os funcionários se desmotivam.  Um plano de cultura proporciona as ferramentas necessárias para construir uma organização onde os líderes praticam o que falam. O sólido engajamento dos funcionários é o resultado de culturas organizacionais notáveis.

É isso Papai Noel,

Obrigado.

Pablo

h1

Um Papo Franco sobre Networking

Fevereiro 15, 2010

Neste post resgato parte de uma conversa muito interessante que tive com minha colega de TTC, Vera Larrat – Gerente de RH na Coca-Cola para América Latina – na qual discutimos a importância do networking na carreira de um executivo. Não importa como você encare isso, seu sucesso no mundo corporativo depende de sua habilidade de relacionar-se com êxito. Algumas pessoas consideram networking “politicagem” e evitam tal prática, mas tem muito mais por detrás desta questão.

Comunique-se para Cima e para Baixo na Hierarquia Organizacional

Sucesso em networking significa ser competente comunicando-se efetivamente não apenas com seus pares  e seus chefes, mas também com seus funcionários. Vamos então começar por aí.

Você nunca vai chegar ao topo da hierarquia sem o apoio dos funcionários abaixo de você. Estas são as pessoas que fazem o trabalho – as pessoas cujo esforço e entusiasmo determinam o seu sucesso ou o seu fracasso. Para ser promovido, você precissa ter êxito na sua posição atual e, definitivamente, você pode não ter êxito nela sem o compromisso das pessoas que trabalham para você.

Além de simplesmente fazerem seu serviço, esmerando-se ou não para você ficar “bem na fita”, seus funcionários são também uma boa fonte de networking. Vários deles conhecem outros funcionários em outros departamentos e, inevitavelmente,  todos eles se falam. Alguns podem inclusive conhecer outros gestores. As conversas que seus funcionários têm com essas outras pessoas podem ter um impacto direto no seu crescimento dentro da empresa. Imagine se um dos seus funcionários diz a um amigo na organização: “Meu chefe é um verdadeiro mané. Ele não sabe o que está fazendo e simplesmente não ouve”. Um outro funcionário diz sobre o seu chefe: “Eu detestaria ficar sem ela como chefe, mas sem dúvida ela seria brilhante como VP”. Qual dos dois você acha que têm maiores probabilidades de ser promovido?

Já seus pares estão competindo com você por uma promoção, mas eles também são fundamentais para o seu êxito. Quanto mais alto você for na sua carreira, mais seu sucesso dependerá de sua habilidade em trabalhar com todas as linhas funcionais. Isso significa que você precisa estabelecer boas relações de trabalho com os seus pares. Se eles vão ajudá-lo por amizade, interesse próprio ou medo, isso não vêm ao caso, mas você bem sabe qual é o cenário mais confiável, certo?

No final das contas, ser selecionado para escalar um nível mais alto depende do seu chefe ou de alguém numa posição mais alta dentro da organização. Quanto mais este executivo sênior pensar nas suas competências e estilo, maiores serão suas possibilidades de ser promovido.

Como Praticar Network Eficazmente

Algumas redes de relacionamento são construídas com base no medo, desconfianças, intrigas e  apunhaladas pelas costas. Elas podem funcionar, é claro, e representam a plataforma daquilo a que nós geralmente nos referimos como “politicagem corporativa”.

Outras redes são baseadas no preenchimento das necessidades e desejos uns dos outros. Mesmo quando os diferentes integrantes de tais redes obtêm algum benefício fora da rede, eles seguem trabalhando apoiando uns aos outros e incrementando o sucesso de seus integrantes – pelo menos enquanto isso não interferir nas suas próprias necessidades.

Finalmente, existem as redes de amigos. Eles fazem o que podem para ajudar um ao outro, sem nenhuma preocupação em relação ao beneficio que podem extrair, apenas pelo simples fato de serem amigos.

Há 2 coisas sobre as quais você precisa estar consciente na medida em que constrói suas redes no trabalho:

  • A maioria das redes são uma combinação de todos estes 3 elementos: politicagem, benefício mútuo e amizade
  • É essencialmente importante saber qual deles compõem as redes de relacionamento em que você participa.

Tipos de Redes Eficazes

Você pode construir sua rede com base em qualquer um desses 3 tipos, dependendo do seu estilo pessoal e de suas preferências. Se você se sente confortável no mundo das punhaladas nas costas, se você se supera atacando de surpresa os demais, se você quer seguir adiante atropelando os outros… vá em frente.  Esse é um método que tem funcionado para muitas pessoas no passado e, sem dúvida, vai continuar funcionando.

Se você se sente mais confortável num mundo onde os pares tratam uns aos outros como profissionais e trabalham juntos em prol de benefícios mútuos até o final, então este deve ser o tipo de rede a construir.

  • Conheça seus pares.
  • Descubra o que eles precisam para ter êxito.
  • Ajude-os a ter mais sucesso nas suas funções.
  • Deixe-os saber do que você precisa.
  • Seja profissional e acadêmico.
  • Reconheça que, no final das contas, você pode ter que se virar sozinho.

Se você prefere construir amizades e contar com esses amigos do trabalho como rede, então este é o tipo de rede na qual você deve investir. Está é a rede mais segura – a mais confiável inclusive – mas também é a que leva mais tempo para construir.

  • Cultive amigos no trabalho como você faria em qualquer outro lugar.
  • Ganhe a confiança e a amizade deles.
  • Confie neles e sejam efetivamente amigos.
  • Seja aberto e franco sobre o que você precisa e quer na sua carreira.
  • Peça a eles ajuda e também conselhos de como seguir adiante.
  • Esteja preparado para apoiar um deles que, eventualmente, pode  vir a ser promovido antes de você.

Um Networking Real de Successo

Deixe-me dividir com você minha escolha de networking profissional. Talvez ele não funcione para você e talvez eu pudesse ter feito melhor com um sistema diferente.

Eu tinha menos de 40 anos quando me tornei VP. Ainda não me tornei CEO de um conglomerado multi-nacional, mas na ponta do lápis, estou muito feliz com as opções que fiz e o sucesso que alcancei ao longo da minha carreira.  Este sucesso foi construido a partir de muito trabalho duro e talento e não da minha habilidade em pisar nos outros. Foi também erguido a partir da minha competência em formar redes e de me comunicar de forma eficaz com pessoas de todos os níveis, na medida em que eu subia na hierarquia corporativa.

Eu sempre construí minhas redes como mutuamente benéficas. Mas, desde que passei a atuar na área de desenvolvimento humano e organizacional, meus pares, meus sócios e meus parceiros comerciais se transformaram em mais do que isso. Muitos deles acabaram virando amigos. Algumas amizades ultrapassaram inclusive o universo do trabalho. Eu dependo desta rede, baseada no respeito e na confiança mútua, quando preciso de bons conselhos. Eu ligo para eles quando problemas aparecem. Se preciso de recomendações em relação a uma nova parceria, posso geralmente contar diretamente com um deles ou indiretamente com suas respectivas redes. Quando preciso me conectar com um cliente em potencial, minha rede de pares / amigos pode geralmente encontrar para mim uma boa conexão.

Na Ponta do Lápis

Construa qualquer que seja o tipo de networking (ou combinação de tipos) que melhor funcione para você:

  • Politicagem
  • Benefício Mútuo ou
  • Amigos.

Invista tempo na sua rede para que ela possa trabalhar para você. Você não pode ir em frente sem os outros. Descubra como você quer que os demais se envolvam no seu sucesso e corra atrás. E finalmente só posso dizer mais uma coisa: boa sorte!

Conte comigo,

Pablo Aversa

h1

Quem pilota sua carreira é você

Fevereiro 11, 2009

Semana passada estive na Livraria Cultura do Shopping Villa Lobos para assistir uma palestra sobre Gestão de Carreira. Três pontos chamaram especialmente minha atenção ao longo da apresentação.
O primeiro refere-se a importante diferença entre Habilidade Politica, competência fundamental na arte do marketing pessoal, e Politicagem, capacidade de ludibriar, enganar e levar vantagem.
O segundo ponto trata-se da importância cada vez maior da gestão de pessoas, uma competência sem a qual torna-se muito difícil alavancar uma carreira de sucesso.
O terceiro aponta a difundida negligência em relação a construção da rede de contatos. Networking é uma habilidade essêncial no gerenciamento da nossa carreira.
Se lhe perguntassem qual o seu nível de conforto em relaçao à estas 3 competências, o que você diria? Você tem um plano de desenvolvimento estruturado para fazer frente à crescente necessidade de cuidar de sua carreira?